Início / Notícias / Mercado / Extra, Extra: tenho um emprego para você!




Extra, Extra: tenho um emprego para você!


Um assunto bastante comentado desde que design é profissão é sobre as ofertas de emprego. No início de tudo, essas ofertas eram escassas, mas bem remuneradas, pois havia poucos profissionais. Era a época da tinta nanquim e lápis. Com o passar dos anos e a era da tecnologia – sobretudo computadores – jovens foram simpatizando com a área de design gráfico e a demanda de profissionais cresceu demais, ainda que com limitações. Portanto, hoje essas ofertas são abundantes, com valor salarial baixo e requisitos absurdos. E isso não é só com emprego de carteira assinada, não, mas em ofertas para freelancers também.

 Bom, antes de tudo, é bom informar alguns dados estatísticos importantes: 50% dos formandos na área de design e publicidade têm sérias dificuldades em arrumar o primeiro emprego de carteira assinada na área (fora o estágio). Desses 50%, 20% acabam desistindo de atuar e seguem para outras profissões diferentes. Por outro lado, em todo o Brasil a estimativa de empresas por profissional de publicidade (design ou publicidade mesmo) é de 2.500 para cada profissional. Ou seja, tem vaga pra todo mundo no mercado.

SEBRAE

 

Então, quando analisamos estes dados, a gente entende o por quê da situação estar como está. De cara, se existem ofertas mirabolantes de emprego, é por que existem pessoas que se encaixam nelas. E quando o salário é um pouquinho mais alto, tipo R$3.000,00 ou R$4.000,00, as exigências chegam a ser surreais. Um salário desses não é tão baixo para a realidade de formandos no Brasil, mas não passa disso. O pior de tudo é a dúvida tremenda que paira no ar, pois todos sabem que agências top de linha tem um profissional especializado em cada setor, então por que tem agências que exigem profissionais com essa gama incrível de conhecimento? E outra... saber um pouco de cada coisa é saber um pouco de nada, logo, acho meio difícil dar certo. Eu disse difícil, mas como não é impossível, agora fica outra pergunta ainda mais cabeluda: SE HÁ UM PROFISSIONAL QUE SAIBA TUDO ISSO DE FORMA COMPETENTE, POR QUE ELE NÃO TRABALHA PARA ELE MESMO?

 Há designers desesperados para terem um emprego, e na grande maioria, seus anseios são satisfeitos por salários pequenos, então eles só reclamam, transferem a culpa do problema para o empresário, para Dilma, cristãos, ateus, menos para ele mesmo. Infelizmente ele não tem o poder de olhar para si e entender que se ele se capacitar e aprender a empreender, essas ofertas de emprego serão indiferentes, pois ele não mais precisará delas. Mas infelizmente, como todos nós somos doutrinados na faculdade a sermos funcionários, os profissionais buscam estabilidade, e na maior parte preferem um salário pequeno e garantido.

 Quando um designer está iniciando sua carreira, é bem mais positivo ele trabalhar em uma agência ganhando R$1.000,00 do que se aventurar como freelancer, pois assim ele obterá know how. O problema é que até para contratar recém-formados, a situação está difícil, pois há ofertas de emprego para estagiários que pagam salário mínimo e ainda PEDEM EXPERIÊNCIA. Parece piada, mas é a realidade! E sem querer ser comunista (Deus me livre), agências tem um custo operacional alto, eu sei, mas fecham projetos milionários com grandes empresas, e pagam designers um valor irrisório. Aí não, né?!

Diante desta situação, você tem duas escolhas:

1 – Se matar de estudar, investir cada centavo em cursos e tentar uma vaga dessas.

2 – Se matar de estudar, investir cada centavo em cursos e empreender. Buscar a vida de um freelancer de sucesso.

 Repararam que a base é a mesma e o que muda é só a escolha final?

 Mas não adianta só dizer que será um freelancer. Se não se preparar, ficará sujeito a ofertas de trabalho como aquela de cima. E elas são mais comuns do que parece, e acredite, esta ainda é boa perto de outras. Certa vez eu vi uma que propunha o valor de R$0,10 (dez centavos) por imagem de jóia editada. Parece piada, meu amigo, mas é a vida real. E quando vem dela, não tem muita graça.

Sendo assim, a saída para você ter uma vida mais digna, crescer e fazer sua própria receita é se preparar para encarar o mercado, (com minha frase cliché) executando o trabalho como o profissional que é e olhando o mercado como um empreendedor. Certamente quando se estabilizar dentro do seu nicho e conseguir desbravar, essas ofertas de emprego não mais lhe incomodarão e você terá o trabalho que sempre sonhou. Só depende de você!

 Sucesso a todos!

#MCVNN





2017 © Direitos reservados